CINTILOGRAFIA DA GLÂNDULA TIREÓIDE

Por: Carla Ciriani Pedroso | Texto Aprovado pelo Conselho Médico do MediFoco
Atualizado em 15/09/2012

PUBLICIDADE

 

A cintilografia está indicada para avaliação do funcionamento da glândula tireóide, tireóide ectópica (fora da sua localização habitual), tireóide mergulhante, caracterização de nódulos na tireóide, causas de hipertireoidismo e hipotireoidismo, tireoidite subaguda, hipotireoidismo congênito, defeito de síntese dos hormônios tireoideanos e pré-radioiodoterapia.

A tireóide é uma glândula, localizada no pescoço, composta por dois lobos, um istmo e um lobo piramidal. Existem várias doenças que são capazes de acometer a tireoide, como:

Hipertireoidismo primário;
Doença de graves;
– Tireoidites – exemplo: tireoidite de hashimoto;
–  Bócio multinodular tóxico;
– Doença de Plummer;
–  Hipertireoidismo secundário – adenoma secretor de TSH, síndrome de resistência ao hormônio tireoidiano, tumores secretores de gonadotrofinas e tireotoxicose gestacional;
– Metástase de linfonodos localizados na glândula;
–  Mutação no receptor de TSH;
–  Struma ovarri (tecido tireoidiano localizado fora da glândula);
–  Hipotireoidismo primário (doença autoimune);
– Tireotoxicose sem hipertiroidismo (tireoidite subaguda);
– Tireoidites silenciosas por medicação, infarto de um adenoma ou ingestão excessiva de hormônio tireoidiano.

Para realizar o diagnóstico correto dentre tantas doenças da tireoide é preciso saber quais os exames devem ser pedidos pelo médico. Inicialmente, os exames laboratoriais são indispensáveis. Deve-se realizar dosagens sanguíneas dos hormônios T3, T4 e TSH, tireoglobulinas, calcitonina, anticorpo anti-receptor do TSH, antitireoglobulina e antiperoxidase. O profissional de saúde não pode esquecer de palpar a tireoide do paciente. As alterações apresentadas nos exames do laboratório devem ser condizentes com o quadro clínico do paciente (o que nesse momento incomoda?).

Exames de imagem também são utilizados na avaliação da doença tireoidiana, como cintilografia, ressonância magnética e PET-CT. Não se utiliza a radiografia (raio X) para realizar o

Cintilografia da tireóide

diagnóstico de disfunção hormonal tireoidiana, a qual serve para avaliar aumentos no volume na presença de massas nas regiões cervical e mediastinal. Por esse método (raio X) é possível avaliar melhor os bócios nodulares, geralmente patologias benignas.

- PUBLICIDADE -

A cintilografia, embora seja um exame antigo, é pouco utilizada muitas vezes por falta de conhecimento dos médicos, que geralmente pedem a ultrassonografia modo B e a ultrassonografia com dopller colorido. A cintilografia utiliza radiofármacos como o iodo-123, iodo-131 e tecnécio que será injetado na veia do paciente e que irá emitir radiação. A tireoide irá captar o radiofármaco e desenhará os lobos tireoidianos. Esse exame é essencial para unir a clínica e o laboratório, sendo possível distinguir entre hipotireoidismo e hipertireoidismo, bócio difuso atóxico de bócio difuso tóxico e bócio nodular atóxico de bócio nodular tóxico. O  termo “tóxico” significa captação aumentada de contraste e uma expressão fisiológica aumentada, enquanto que “atóxico” quer dizer quando não existe captação de contraste e nem expressão fisiológica da secreção hormonal. Se o exame apresentar menor captação do contraste isso indica hipotireoidismo; e se tiver maior captação do radiofármaco é sugestivo de hipertireoidismo. Além de usarmos a cintilografia para confirmar o diagnóstico, esse exame pode ser utilizado para investigar a localização da tireoide quando não se consegue palpar a glândula, podendo estar na base da língua (forame cego) – local de sua formação embriológica. O aumento da glândula nem sempre pode ser utilizado pela cintilografia, uma vez que se não ocorrer captação dos radiofármacos o parâmetro não pode ser definido. Nem todos os nódulos podem ser vistos nesse exame. Os nódulos mais perigosos relacionados às neoplasias são os nódulos hipocaptantes, denominados de nódulos frios. Ou seja, esses nódulos captam o radiofármaco em menor quantidade em relação ao restante da tireoide, mostrando uma

Palpação da tireóide

imagem de buraco branco como se fosse uma mordida. As vezes não é possível visualizar essa imagem. A cintilografia, portanto, avalia a fisiologia da glândula e os outros tecidos não são capazes de captar o iodo ou tecnécio.

A tomografia computadorizada auxilia na localização e avaliação do tamanho da tireoide e também se tem acometimento por outras doenças. A ultrassonografia é outro exame que pode ser utilizado para avaliar a glândula tireoide, a qual possui o modo B ou cinza e o color doppler. Esse último é capaz de mostrar a vascularização da glândula.



PUBLICIDADES


4 Comentários para o texto: “CINTILOGRAFIA DA GLÂNDULA TIREÓIDE”

  1. cida disse:

    ola fiz uma cintilografia deu q esta aumentada e com campos frios que quer dizer obrigado.

  2. silviadutranogueira disse:

    boa noite dr vou fazer uma cintilografia das gladulas ,estou um pouco preoculpada pois sou paciente renal cronica num tem nenhum problema né.obrigada

  3. maria lucia disse:

    ola,boa tarde,fiz a cintilografia e durante o exame ouvi o medico dizer que tem um tumor.ele e maligno ou não da saber ainda.desde já agradeço.

Deixe um Comentário

Antes de enviar seu Comentário, faça o cálculo abaixo: * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.

Powered by WordPress | Designed by: Best SUV | Thanks to Toyota SUV, Ford SUV and Best Truck