COLELITÍASE | Sintomas – Diagnóstico – Tratamento

Por: Marina Zanetti | Texto Aprovado pelo Conselho Médico do MediFoco
Atualizado em 19/02/2013

PUBLICIDADE
Colelitíase

 

Colelitíase, também conhecida por cálculos biliares, litíase biliar ou popularmente como “pedras na vesícula”, é justamente uma patologia que envolve a presença de cálculos (ou pedras) dentro da Vesícula Biliar.

Dúvidas sobre pedra na vesícula? participe do grupo, clique aqui.

A Vesícula Biliar é um pequeno órgão em forma de saco, que fica próximo ao fígado e é responsável por armazenar a bile, um líquido esverdeado produzido pelo fígado e que auxilia na digestão dos alimentos.

A bile é composta principalmente por água e colesterol, além de sais biliares, tornando-se líquida, porém se há excesso de colesterol ou sais biliares, estes vão se acumulando e dando origem aos cálculos. A maioria dos cálculos biliares são formados por colesterol, porém em nada se relaciona com níveis elevados de colesterol sanguíneo.

O tamanho dos cálculos pode variar desde micro até a grande, sendo que o tamanho dos mesmos podem predispor à complicações diferentes.

Este é um tipo de patologia extremamente freqüente, principalmente entre mulheres, ao redor dos quarenta anos de idade, que já tiveram filhos e que estejam acima do peso.

Sinais e Sintomas:

Geralmente há uma dor do tipo cólica, de forte intensidade no epigástrio (região da “boca do estômago”) ou hipocôndrio direito (região logo ao lado direito do epigástrio), que é desencadeada por alimentação gordurosa, e  nota-se melhora com uso de medicamentos analgésicos.

- PUBLICIDADE -

Pode haver vômitos, náuseas, saciedade precoce (a pessoa alimenta-se pouco e já se sente satisfeita) e irradiação da dor para o ombro ou o dorso (costas).

Diagnóstico:

O diagnóstico da colelitíase pode ser dado por médico gastroenterologista, através de uma boa anamnese (interrogatório médico) e exame físico completo, é necessário ainda a realização de um exame complementar, a ultrassonografia abdominal, que diagnostica ou não a presença de cálculos.

O raio X não tem utilidade neste tipo de diagnóstico pois os cálculos de colesterol são radiotransparentes, ou seja não aparece ao exame.

Tratamento:

O tratamento indicado pelo médico dependerá dos sintomas do paciente, de sua condição clínica e do tamanho dos cálculos.

Todo paciente com colelitíase sintomática (que esteja com os sintomas, por exemplo com dor) deve ser operado, no qual haverá a retirada da vesícula biliar, juntamente com os cálculos.

Em pacientes assintomáticos, mas que se enquadrem em algum dos critérios a seguir, devem também ser operados: diabéticos, imunodeprimidos, presença de cálculos grandes ou microcálculos e com hipertensão portal.

Assintomáticos que não se enquadrem em nenhum dos critérios acima, podem ser operados ou não, de acordo com um consenso existente entre paciente e médico, que chegam à conclusão do que é melhor para o caso.

Hoje em dia a cirurgia de escolha é a videolaparoscopia, que gera menos desconforto no pós-operatório.



PUBLICIDADES


3 Comentários para o texto: “COLELITÍASE | Sintomas – Diagnóstico – Tratamento”

  1. thelma disse:

    quando se trata de colelitíase cronica é necessário cirurgia???

  2. andrea disse:

    Onde posso fazer a CPRE e qual o custo?

  3. monik disse:

    Olá,
    O texto é muito esclarecedor, porém gostaria de ter informações sobre o seguinte laudo gástrico: Vesícula biliar distendida fisiologicamente, paredes espessas medindo 45 x 1 , 20 x 1. Presença de liquido livre na cavidade abdominal com volume aproximado 7720 ml.

    Obrigada.

Deixe um Comentário

Antes de enviar seu Comentário, faça o cálculo abaixo: * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.

Powered by WordPress | Designed by: Best SUV | Thanks to Toyota SUV, Ford SUV and Best Truck