DIABETES TIPO 1 E TIPO 2 | Entenda a Diferença – Sinais e Sintomas

Por: Lara Amorim Davila Prottes | Texto Aprovado pelo Conselho Médico do MediFoco
Atualizado em 22/07/2017

PUBLICIDADE

Neste texto iremos falar sobre os tipos de diabetes, as diferenças do diabetes tipo 1 e tipo 2, mostrar os sinais e sintomas mais comuns, além de como é realizado o diagnóstico e tratamento da doença.

O que é Diabetes tipo 1?

O hormônio que controla o nível de glicemia (açúcar) no sangue é a insulina, e esta por sua vez é produzida pelo pâncreas. No Diabetes Tipo 1, o pâncreas do indivíduo deixa de produzir a insulina, aumentando os níveis de açúcar no sangue. Por se tratar de uma doença que tem relação genética (autoimune), geralmente é diagnosticada na infância.

Sinais e Sintomas do Diabetes Tipo  1:Sintomas Diabetes

O Diabetes tipo 1 é uma doença autoimune, ou seja, o próprio organismo produz células defesa (anticorpos) que ataca o pâncreas, como se o sistema imunológico não o reconhecesse. Os sintomas se manifestam quando mais de 90% da função do pâncreas está comprometida. O diagnóstico é geralmente fácil, quando começam a surgir os sintomas específicos como poliúria (aumento do número de vezes que o paciente faz xixi), polidipsia (aumento da sede), emagrecimento e polifagia (aumento do apetite). Geralmente a criança apresenta também enurese noturna (falta de controle da micção). Muitas vezes o paciente tem seu diagnóstico feito quando apresenta uma complicação aguda chamada cetoacidose diabética (o corpo não consegue usar a glicose como fonte de energia e passa a usar então proteínas e lipídios, gerando como resultado os corpos cetônicos, deixando o sangue ácido) com sintomas de fadiga, confusão mental, náuseas, vômitos, dor abdominal, hálito cetônico.

O que é Diabetes tipo 2:

É o tipo mais comum de Diabetes, representando 90% dos casos. Geralmente acomete adulto acima dos 40 anos e obesos. Nesse tipo de diabetes há união de dois fatores para que ela ocorra: resistência à insulina + diminuição da produção de insulina. Nesse caso também há uma predisposição genética que juntamente com os fatores ambientais culminam para o aparecimento da doença, como a obesidade, sedentarismo.

Sinais e Sintomas do Diabetes Tipo 2:

São pacientes com mais de 40 anos, obesos, que geralmente descobrem ao acaso (exames de rotina) que são diabéticos. Os sintomas nesses pacientes passam mais despercebidos e quando surge são mais leves do que no Diabetes tipo 1. Podem surgir polidipsia, poliúria, noctúria. Por ter essa característica de ser insidiosa e assintomática, quando o diagnóstico é feito mais de 50% dos pacientes já tem complicações da doença (retinopatia, nefropatia e doença vascular manifesta).

- PUBLICIDADE -

Então, quais são as diferenças do Diabetes tipo 1 e tipo 2?

No diabetes tipo 1, por ser uma doença onde o próprio sistema imune destrói de forma rápida o pâncreas, têm-se pouca ou nenhuma produção de insulina, desta forma, os sintomas são mais acentuados e graves, geralmente surgindo na infância ou adolescência e requerendo a utilização de doses diárias de insulina para manter o controle da glicose.

No diabetes tipo 2, a prevalência da doença é maior nos indivíduos adultos e idosos, normalmente associado a obesidade. Porém, neste caso, inicialmente a produção de insulina é normal ou até mesmo elevada pois os tecidos do corpo estão resistentes à sua ação, o que acaba impedindo a absorção da glicose pelo organismo e gerando o aumento da taxa de açúcar no sangue.

Diagnóstico do diabetes:

Hemoglicoteste

O diagnóstico é feito através de exames de sangue que detectam a hiperglicemia, sendo que a glicose de jejum normal varia entre 65-100 mg/dL.

Glicemia de jejum alterada está entre valores de 99-126 mg/dL, caracterizando o estado pré-diabético e quando é feito o exame de glicemia em jejum que a glicose está maior ou igual a 126 mg/dL em mais de uma ocasião, o diagnóstico de diabetes estará firmado.

Pode-se realizar o diagnóstico do diabetes através do hemoglicoteste (aparelho medidor da glicemia capilar), para isto a glicose deverá estar > ou igual a 200 mg/dL e a pessoa apresentar os sintomas do diabetes.

Tratamento do diabetes:

Na diabetes tipo 1, o tratamento é feito através da reposição de insulina por via subcutânea (através de aplicações sobre a pele), junto com dieta regulada e exercícios físicos, que visam redução dos níveis de glicemia para faixa próxima ao normal. Para que a terapia seja mais eficaz, o indivíduo deve dispor de um dispositivo que faz a medida da glicemia, que deve ser realizada cerca de 4 vezes por dias.

Na diabetes tipo 2 , o indivíduo geralmente tem outras doenças associadas como dislipidemias (alterações do colesterol e triglicerídeos), pressão alta. Por isso o tratamento nesse tipo, visa além do controle da glicose, controlar as outras doenças existentes, bem como parar de fumar e praticar exercícios físicos regularmente. Se com essas modificações nos hábitos de vida não for atingido um nível glicêmico normal, pode ser necessária a complementação com medicação oral ou até mesmo insulina.

PUBLICIDADES


9 Comentários para o texto: “DIABETES TIPO 1 E TIPO 2 | Entenda a Diferença – Sinais e Sintomas”

  1. Rosemary Nunes disse:

    Olá, minha mãe é diabética e faz uso da insulina, procurando tratamentos alternativos via internet e casas de artigos naturais encontrei uma combinação de plantas denominado “Chá da vida”, sua promessa é controlar a diabetes e o colesterol com a ingestão diária do chá três vezes ao dia.
    Gostaria de saber se alguns dos Doutores já ouviu falar deste chá e se há riscos de minha mão começar a usar.
    segue abaixo a combinação de ervas que comprei:
    Insulina, pata de Vaca,Pau de Ferro, Pau de Tenente, graviola, Cana de Brejo, Berinjela e Jambolão.
    Desde já grata.

    • Dr. Eduardo Machado de Carvalho disse:

      Olá Rosemary,
      Não recomendamos estas “medicações” para o tratamento do diabetes. Procure um médico endocrinologista.

  2. Antonio disse:

    Prezados,bom dia!
    meu pai é diabético e emagreceu muito,come bastante e continua com fome parece que as refeições não é suficiente para alimentá-lo. Ele chegou a pesar 120 quilos quando era mais jovem, tinha uma vida bem organizada: malhava muito tinha um corpo sarado e não tomava anabolizantes hoje aos 60 anos ele é tão magro que faz pena e ainda tá surgindo umas manchas avermelhadas pelo corpo o que é isso? que tipo é 1 ou 2?.

  3. Reinaldo Gundim disse:

    Boa tarde. Chá verde auxilia na manutenção da glicemia baixa. Tenho 49 anos, peso 101 Kg. e minha glicemia em jejum via hemoglicoteste nas duas últimas semanas tem variado entre 120 e 135.

    Grato.

  4. gizelda maria disse:

    Tenho 25 anos peso 40 kilos e a minha glicose estava a baixo de 32, corri rico de vida por essa baixa?

    • Sim, hipoglicemia pode ser grave.

      • Nina Carvalho disse:

        Boa tarde Dr:Eduardo Machado de Carvalho eu tenho 50 anos, e este mês passando por uma consulta de rotina com meu cardiologista ele me pediu um hemograma completo e para minha surpresa descobri que estou diabetes tipo 2 Estou muito assustada.
        Gostaria de fazer uma pergunta, se eu deixar de consumir literalmente o Açúcar, o Sal a gordura refrigerantes,e massas brancas e consigo eliminar essa diabetes ? …e tomar a medicação que ele me passou também vai ajudar no combate ? Desde já agradeço OBRIGADA E BOA TARDE ! DEUS ABENÇOE .

        • Dr. Eduardo Machado de Carvalho disse:

          Olá Nina,
          A alimentação com pouca quantidade de carboidratos e a atividade física irão ajudar muito! Continue acompanhando com seu médico e utilizando a medicação caso tenha sido prescrito.

  5. gizelda maria disse:

    Muito boa as explicações, agora sei aceitar a diabetes tipo 2 e trata-la conforme o médico descrever na receita.

Deixe um Comentário

Antes de enviar seu Comentário, faça o cálculo abaixo: * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.

Medifoco - O Nosso Foco é a sua Saúde