ESCOLIOSE | O que é – Causas – Tratamento

Por: Cássia Rocha | Texto Aprovado pelo Conselho Médico do MediFoco
Atualizado em 10/04/2015

PUBLICIDADE
Escoliose

 

A escoliose é uma deformação da coluna vertebral, que pode ficar no formato de “C” ou de “S”. É um desvio para a esquerda ou para a direita, acompanhada de gibosidade (rotação das vértebras). Em resumo, a coluna se torce para os lados formando uma curvatura lateral. Geralmente começa a ocorrer quando a coluna vertebral está em crescimento, o que se dá na infância ou na adolescência.

Existem diversas classificações, dependendo da sua causa:

– Escoliose idiopática – não possui causa conhecida e em geral é a menos grave;

– Escoliose congênita – é de nascença e decorre de um problema na formação da coluna vertebral durante a gestação ou no desenvolvimento do recém-nascido; o tratamento é mais difícil, pois normalmente a criança nasce com outras doenças associadas;

– Escoliose neuromuscular – é a mais grave, pois é decorrente de problemas neurológicos, como a paralisia cerebral ou muscular e a poliomielite; em geral a curvatura é muito grande. Nesses casos, o tratamento é feito apenas para que a criança consiga se sentar adequadamente na cadeira de rodas.

Diagnóstico da Escoliose:Escoliose

Os sinais costumam aparecer dos nove aos 15 anos de idade. Por isso, observe se seu filho parece estar com um ombro mais alto do que o outro, com o quadril assimétrico, com a coluna encurvada para um dos lados ou se reclama muito de dores nas costas (mas em muitos casos a escoliose não causa dor, por isso não se prenda a esse fator). Quando ele se curva, note também se um dos lados parece mais alto do que o outro. Caso perceba algum desses sintomas, procure um médico o mais rápido possível, pois o diagnóstico precoce é muito importante para o sucesso do tratamento.

- PUBLICIDADE -

Além dos exames físicos, o médico irá investigar se há histórico familiar, dificuldade para respirar e se houve crescimento muito rápido nos últimos meses.

Tratamento da Escoliose

O tratamento depende muito do tamanho da curvatura. Na maioria dos casos de escoliose idiopática que têm a curvatura pequena, é feito apenas um trabalho de observação, pois em geral a coluna se alinha ao término da fase de crescimento, especialmente quando essa fase já se aproxima.

Quando o paciente com escoliose idiopática tem uma curvatura maior e está longe de chegar ao término da fase de crescimento, normalmente é recomendado o uso de uma órtese (colete) para retardar a progressão da curvatura. Ela não corrige, apenas evita o avanço do problema.

Existem diversos tipos de colete e formas de usá-lo; o médico irá avaliar a melhor forma para cada caso. Por vezes o uso do colete pode afetar a autoestima do paciente, especialmente os adolescentes. Nesses casos, um acompanhamento psicológico é altamente recomendável.

Em casos mais graves a cirurgia pode ser indicada. Em geral o médico prefere aguardar o fim da fase de crescimento para confirmar a necessidade, mas se o avanço da curvatura estiver rápido demais, o profissional pode decidir pela cirurgia ainda na fase de crescimento.

A fisioterapia também costuma ser indicada. Ela não impede o avanço da escoliose, mas ajuda a fortalecer a musculatura, o que é muito importante para o sucesso do tratamento.

Consequências da Escoliose

Nos casos de escoliose idiopática menos graves, em geral o paciente tem vida normal na idade adulta, podendo apenas sentir dores lombares sem maiores problemas.

À medida que a gravidade aumenta, podem surgir complicações como artrite, incapacidade dos ossos se encaixarem, problemas respiratórios ou danos na medula.



PUBLICIDADES


Deixe um Comentário

Antes de enviar seu Comentário, faça o cálculo abaixo: * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.

Powered by WordPress | Designed by: Best SUV | Thanks to Toyota SUV, Ford SUV and Best Truck