INFERTILIDADE | Conduta Inicial e Tratamento

Por: Clara Isabela Pereira | Texto Aprovado pelo Conselho Médico do MediFoco
Atualizado em 24/04/2013

PUBLICIDADE
Infertilidade

 

A infertilidade é definida como a ausência de gravidez após um ano de atividade sexual regular (duas a quatro vezes por semana), sem proteção contraceptiva. Acomete 7 a 15% dos casais em idade reprodutiva.

Conduta inicial:

Na primeira consulta deve-se conversar bastante com a paciente, perguntando principalmente sobre a frequência das relações sexuais, sobre o ciclo menstrual da mulher, se já teve gestações anteriores, doenças sexualmente transmissíveis, cirurgias em órgãos pélvicos, uso de drogas ilícitas e lícitas.

No exame físico deve-se avaliar o pessoa, altura, biótipo, distribuição dos pelos, aferir pressão arterial, avaliar presença de descarga papilar (secreção no mamilo), palpar tireóide e realizar exame ginecológico completo.

Devem ser solicitados espermograma, dosagem de FSH, estradiol, prolactina, TSH, T4 livre, progesterona, ultrassonografia transvaginal seriada e histerolssalpingografia.

Infertilidade masculina:Infertilidade masculina

A causa masculina representa 35% dos casos de infertilidade conjugal. A fertilidade masculina atinge um pico aos 35 anos e diminui nitidamente após 45 anos. Há uma queda de testosterona e aumento das gonadotrofinas hipofisárias, o que está associada a um decréscimo na produção de espermatozóides.

- PUBLICIDADE -

O espermograma faz parte da rotina básica de investigação do casal infértil e deve ser realizado mesmo em caso de paternidade anterior, principalmente se for há mais de 2 anos. Os critérios avaliados no espermograma incluem: volume, liquefação, pH, viscosidade, concentração, número total de espermatozoides, motilidade, morfologia e vitalidade. Diante de um espermograma normal, não há necessidade de se repetir o exame quando está se fazendo avaliação inicial da infertilidade.

Tratamento:

O tratamento é direcionado para a causa da infertilidade.

– Fator masculino: realizar cirurgia em caso de varicocele ou vasectomia prévia, administração de gonadotrofinas em caso de deficiência, técnicas de reprodução assistida em caso de alterações no espermograma.

– Fator tuboperitoneal: lise de aderências, correção de doença perianexial, correção de doença tubária proximal, distal ou combinada, correção de anormalidades tubárias, cauterização de focos de endometriose, técnicas de reprodução assistida.

– Fator anatômico: exérese de pólipos, lise de sinéquias, miomectomia, técnicas de reprodução assistida.

– Fator ovulatório: tratamento de endocrinopatia subjacente, indução da ovulação, técnicas de reprodução assistida.

– Infertilidade sem causa aparente: conduta expectante, indução da ovulação, técnicas de reprodução assistida.



PUBLICIDADES


Deixe um Comentário

Antes de enviar seu Comentário, faça o cálculo abaixo: * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.

Powered by WordPress | Designed by: Best SUV | Thanks to Toyota SUV, Ford SUV and Best Truck